Juiz Dr.Ulisses determina prisão de Ronaldo Lages na penitenciária de Parnaíba

1251

O juiz Ulisses Gonçalves da Silva Neto expediu mandado de prisão contra o ex-prefeito Ronaldo Lages pela suposta prática de crime de disparo de arma de fogo na festa de aniversário de Nossa Senhora dos Remédios. Conforme mostra decisão judicial:

O juiz alegou que o valor da fiança cobrado ao ex-prefeito foi muito baixo e que não vislumbrava a concessão de liberdade com ou sem fiança. Em decorrência disso, Dr. Ulisses determinou a prisão imediata de Ronaldo Lages na Penitenciária de Parnaíba.

Testemunha disse no processo que Ronaldo segurava uma pistola Tauros 23/7 em uma mão e, em outra, um copo e que chegou a ouvir de 2 a 3 tiros. Baseado também nessa informação e nos processos que o policial civil responde – entre eles o de ter disparado, em outra ocasião, com arma de fogo em local público e causado lesão corporal grave em uma vítima, também o envolvimento em crime de trânsito que culminou com a morte de uma fisioterapeuta em Teresina, entre outros – o juiz afirma que o posicionamento de Ronaldo Lages com a Justiça é de absoluto desdém e que não pode ficar solto. “A medida (prisão) mostra-se necessária para contra reiteração em práticas criminosas, porquanto o paciente ostenta quatro condenações e responde a duas outras ações penais por crimes graves”, diz a decisão.

Versão de Ronaldo Lages

“Eu, Ronaldo César Lages não quis em momento algum tumultuar a festa, mas sim, tentar acalmar uma briga que aconteceu no referido evento, onde diversos homens estavam correndo para bater em um outro rapaz, como naquele momento percebi que a Polícia Militar não estaria ali por perto ou próximo, resolvi como Polícial Civil não ser omisso e agir para conter a briga que poderia ter acontecido coisas piores. Quanto a ter efetuado 3 disparos para cima, lógico que para inibir que continuasse a briga que envolvia diversas pessoas, não teria como eu inibir gritando para os mesmo pararem, por esta razão me senti obrigado a efetuar os 3 disparos para conter aquela confusão. Por ser homem público a mídia sempre só conta a versão dela mesma e esquece de ouvir a minha pessoa. Só lembrando que eu sou lotado na delegacia da referida cidade ou seja eu presto serviço como policial civil a esta cidade. Agora deixo uma pergunta : será se eu como policial civil iria deixar matarem um rapaz na minha frente e nada Iria fazer para que isso não viesse a acontecer. Um exemplo é que após este problema o qual me envolvi um jovem foi esfaqueado em praça pública. Será que eu como policial civil presenciando uma cena desta iria deixar este rapaz ser esfaqueado Onde estava a polícia militar na hora?
A mídia joga pra plateia que eu efetuei disparos de arma de fogo, mas não me procura para saber o porque dos disparos e ouvir minha versão e os das pessoas que lá estavam.

fonte:longah.com